imageimageimageimageimageimageimageimageimageimageimageimageimageimageimage
previous next

Classificação dos Cetáceos

Os cetáceos por sua vez são subdivididos em 3 subordens:

  • Archaeoceti ou Arqueocetos (já extinta)
  • Mysticeti ou Misticetos (vivente)
  • Odontoceti ou Odontocetos (vivente)

As duas subordens viventes têm as seguintes características:

MISTICETOS
ODONTOCETOS
2 orifícios respiratórios
1 orifício respiratório 
(veja fotos: clique aqui)
Maior porte (6 a 33 m)
Barbatanas na boca

Menor porte 
(exceto o cachalote com 12-18m )

Com dentes na boca

 

As barbatanas são estruturas existentes somente nos representantes da subordem dos Misticetos. Elas consistem de placas de material queratinizado (como o de nossas unhas), que partem da maxila em direção à mandíbula. Formam duas redes para captura de alimento nos dois lados da boca. O número, o tamanho e as cores destas placas podem variar de acordo com as diferentes espécies, podendo ser considerados como padrões de identificação. Estas placas acabam por formar uma estrutura filtradora de organismos do plâncton (microalgas, pequenos crustáceos) até pequenos peixes.

O critério de classificação pode variar segundo o enfoque dado pelos pesquisadores. A partir do taxon de família, as divergências entre os inúmeros autores são ainda maiores.

Misticetos (12 espécies)

De uma maneira geral seus representantes são subdivididos segundo a presença ou ausência de sulcos ventrais, bem como quanto ao número destes. Estes sulcos têm relação direta com o tipo de alimentação e a estratégia alimentar realizadas pelas diferentes famílias, como será visto posteriormente no item sobre comportamento.

  • Família Balaenidae: Grandes e robustas, com uma cabeça muito grande em comparação com o corpo e com o rostro arqueado proporcionando uma feição curva da mandíbula. Com longas barbatanas e sem sulcos ventrais. Baleias-francas e baleia-da-Groenlândia.
  • Família Neobaleanidae: Incluiria uma única espécie (baleia-franca-pigméia; Caperea marginata), ainda muito pouco conhecida. Apresenta poucos sulcos ventrais e cabeça pouco arqueda.
  • Família Eschrichtiidae: Com pequenas placas de barbatanas, rostro estreito, delicadamente arqueado, com 2 a 4 sulcos ventrais (geralmente 2), sem nadadeira dorsal. Representante único: baleia-cinzenta, Eschrichtius robustus. Presente somente no hemisfério-norte.
  • Família Balaenopteridae: Os chamados "rorquais" com uma grande série de sulcos ventrais (poucos nas baleias-jubarte, que para muitos autores não são considerados como "rorquais"), com rostro gentilmente curvado, com pequenas barbatanas e nadadeiras dorsais sempre presentes (reduzida na jubarte). Baleias azul, fin, Sei, Bryde, Jubarte e minkes.


Odontocetos (70 espécies)

Nesta subordem é que existem várias divergências segundo os diversos autores. De uma maneira geral temos praticamente 10 famílias. Devido ao grande número de espécies viventes, representando praticamente 85% das espécies viventes de cetáceos, as famílias serão apenas citadas. Para os mais interessados nas descrições, a consulta dos guias de identificação pode dar uma noção mais detalhada sobre as famílias e as espécies de interesse.

  • Família Iniidae: Representada pelo golfinho da Amazônia (boto cor-de-rosa, Inia geoffrensis).
  • Família Platanistidae: Representada por pequenos cetáceos existentes nos rios Ganges e Indú.
  • Família Lipotidae: Representada por um pequeno cetáceo encontrado no Rio Yangtze, na China.
  • Família Pontoporiidae: Representada pela "toninha" ou "franciscana" (Pontoporia blainvillei).
  • Família Monodontidae: Representada pelos narvais e pelas belugas, ambos encontrados no Ártico.
  • Família Phocoenidae: São as marsopas do gênero Phocoena.
  • Família Delphinidae: Representada pelas orcas e pelos golfinhos em geral.
  • Família Ziphiidae: Representada pelas "baleias bicudas".
  • Família Physeteridae: Representada pelo cachalote.
  • Família Kogiidae: Representada pelos cachalotes anão e pigmeu.

ATENÇÃO!!!

A partir da década de 1990 o grande avanço dos estudos envolvendo as técnicas de análise de DNA passaram a re-discutir a classificação dos cetáceos. Novas descobertas estão sendo publicadas a cada ano e os números acima podem estar desatualizados. Acesse websites de Instituições como a IUCN para ter acesso aos dados atualizados.

 

Orifícios Respiratórios em Cetáceos

Dois orifícios respiratórios na baleia-jubarte, um MISTICETO

Apenas um na orca, um ODONTOCETO.

Fotos: Marcos César de Oliveira Santos